Notícias

Global CemFuels Focus: Europa do Sul

Países do Sul da Europa, como a Itália, Portugal e Chipre têm taxas de substituição de combustíveis alternativos relativamente baixos em comparação com a maior parte do resto da Europa e uma elevada dependência sobre combustíveis importados. Itália e Portugal têm cadeias logísticas de gestão de resíduos subdesenvolvidos. Enquanto em Portugal estão a ser feitos esforços para resolver esta questão, a economia e a indústria de cimento pouco enérgicas da Itália significa que poucas melhorias foram introduzidas nos últimos anos.

Portugal

Produção Cimenteira

Fig.1: Cimenteiras Integradas, localização e capacidade de produção em Portugal em 2015
Fig.1: Cimenteiras Integradas, localização e capacidade de produção em Portugal em 2015. Fonte: The Global Cement Directory 2015.

A Indústria de cimento de Portugal é composta por seis fábricas de cimento. Três são de propriedade da Indústria de Cimentos (Cimpor) e três são de propriedade da SECIL. As fábricas têm uma capacidade de produção combinada de 11.6Mt / ano, incluindo 210,000t/ano de cimento branco da fábrica Cibra-Pataias da SECIL em Leiria, Maceira.

Os níveis portugueses de produção de cimento atingiram o pico em 2010 com 7.2Mt, de acordo com o USGS. Nos anos seguintes, o ambiente económico adverso do país teve um efeito depressivo sobre os seus sectores de construção e cimento e a procura estagnou. A SECIL reportou que a procura de cimento caiu 20% para 2.8Mt/ano em 2013, em acréscimo à queda de 28,6% ano-a-ano em 2012. A Cimpor disse que a procura de cimento em Portugal foi de cerca de 3Mt em 2014.

Ambos os produtores Portugueses voltaram-se para os mercados de exportação para reanimar os respetivos negócios, embora a SECIL tenha considerado o excesso de capacidade em Espanha como um desafio a esta tática. As vendas Portuguesas de cimento da Secil caíram 14,4% ano-a-ano para €260,000 em 2013. Os volumes de vendas de cimento caíram 21% ano-a-ano para 1.08Mt. No entanto, as suas exportações cresceram 16%, para 1.06Mt.

A Cimpor apresentou resultados semelhantes para 2014. Os respetivos volumes de vendas de cimento doméstico caíram 12% ano-a-ano para 1.3Mt em 2014, enquanto as exportações de Portugal aumentaram 20% ano-a-ano para 3Mt. A Cimpor reportou que, embora as exportações tenham preços mais baixos do que as vendas no mercado interno, o crescimento do mercado de exportação era bom para o longo prazo.

Enquadramento dos Combustíveis alternativos

Em Portugal, o coprocessamento de resíduos é regulado entre outros diplomas, pelo Decreto-lei n.º 85/2005. O diploma é composto por 49 artigos e cinco anexos e tem por objetivo prevenir ou reduzir os efeitos negativos da incineração de resíduos para o ambiente. Ele define os valores-limite de emissão para o ar e para as descargas de resíduos e regula o transporte de resíduos, armazenamento e reciclagem, bem como procedimentos de controlo e monitorização.

Os dois produtores de cimento de Portugal colaboram frequentemente no sentido de melhorar os sistemas de gestão de resíduos para assim beneficiarem do uso de combustíveis alternativos. Em dezembro de 2014, N+P International assinou um contrato de cinco anos para o fornecimento de combustíveis sólidos recuperados (SRF) às fábricas de cimento da Secil e Cimpor.

O contrato foi assinado pela Gestão Ambiental e Valorização Energética (AVE), uma empresa participada da SECIL, Cimpor e Serviços de Gestão e Valorização de Resíduos (SGVR). Criada em 2003, a AVE acompanha o circuito dos resíduos para coprocessamento ao longo de todas as suas fases, desde a identificação de resíduos passíveis de serem utilizados como combustível alternativo ou matéria-prima secundária no fabrico de clínquer até ao estudo da sua viabilidade e controlo de qualidade. Atualmente, as quantidades de resíduos geridos pela AVE por ano são de cerca de 300.000t.

"Nos últimos anos temos investido milhões para desenvolver o mercado do Reino Unido. Agora a N+P tem várias instalações em portos de locais estratégicos com a possibilidade de usar um grande número de contentores marítimos", disse Karel Jennisen, presidente da N+P. A N+P comprometeu-se a fornecer >700,000t de SRF a Portugal nos próximos cinco anos. A maioria dos SRF é já fornecida por empresas no mercado de reciclagem do Reino Unido. Uma pequena parte do volume será obtido em Itália e França.

Este não será o primeiro empreendimento da N+P em Portugal. Em 8 de maio de 2014 enviou seu primeiro lote de 2500t de SRF do Reino Unido para Lisboa. O material era proveniente da fábrica da N+P em Grimsby, North East Lincolnshire.

Tabela 1 - Estatísticas globais da Cimpor sobre combustíveis alternativos. Fonte: Relatório de Sustentabilidade da Cimpor referente ao ano de 2011.
Combustíveis Alternativos %
Pneus e Borracha 59.54
Agricultura 13.23
Carne Animal 7.77
Resíduos Industriais 6.87
Resíduos de combustíveis fósseis 6.13
Plásticos 3.27
Lamas secas 2.71
Solventes 0.17
Biomassa 0.16
Resíduos de óleos 0.14
Tabela 2 - Estatísticas globais da Secil sobre combustíveis e matérias-primas. Fonte: Relatório de Sustentabilidade da Secil referente ao ano de 2013.
2012 2013
Matérias-primas Naturais (Mt) 7.9 7.65
Matérias-primas Secundárias (t-%) 298,000 - 35 249,000 - 3.2
Combustíveis fósseis sólidos (t) 349,000 333,000
Combustíveis fósseis gasosos (Nm3) 24,000 18,000
Taxa de combustíveis alternativos (t - %) 169,000 - 21.1 169,000 - 21.1
Taxa de substituição de Biomassa (%) 9.4 10.0
Produção bruta de emissão de CO2 (Kg/t) 661 640

Combustíveis alternativos utilizados pelos produtores de cimento

Indústria de Cimentos (Cimpor)

Indústria de Cimentos (Cimpor) tem três fábricas de cimento e 7.15Mt/ano de capacidade de produção de cimento em Portugal.

No seu Relatório de Sustentabilidade 2011, a Cimpor disse que a sua taxa global de substituição de combustível alternativo foi de 5,1%, acima dos 4,7% em 2010, embora a sua taxa de substituição de biomassa tenha caído de 1,4% para 1,2%. As emissões brutas de CO2 provenientes da produção de cimento cresceram de 677,72 kg/t para 686,86 kg/t em 2010. Apesar de as fábricas portuguesas representarem apenas 3% do consumo global de combustíveis alternativos, a Cimpor estima que a taxa de substituição térmica em Portugal foi em torno de 10%. Pneus e borracha representam o maior tipo de combustível alternativo usado pela Cimpor em todo o mundo, algo em torno dos 59,5% (Tabela 1).

A fábrica de Loulé da Cimpor em Faro conta com uma produção de combustíveis alternativos desde 2009. Esta processa biomassa e combustíveis derivados de resíduos (CDR), como resíduos de pneus para uso no pré-calcinador. Há dois compartimentos de armazenamento equipados para receber os resíduos e um guindaste com uma garra automatizada para transferir os resíduos das baias para a tremonha que alimenta o cinto da misturadora. A correia mistura o material, dependendo dos requisitos de combustível do pré-calcinador, com capacidade de incubação de 0,5 - 5t/h.

Um transportador de correia inclinada e completamente coberta com uma cinta de metal final, alimenta o pré-calcinador, através de uma porta retalho triplo para evitar a entrada de ar falso para o pré-calcinador. A fábrica de Loulé também usa cinzas como matéria-prima alternativa. A Cimpor montou uma instalação de combustíveis alternativos na sua fábrica de Alhandra em 2014.

Secil - Companhia Geral de Cal e Cimento

A Secil detém três fábricas de cimento e 4.43Mt/ano de capacidade de produção de cimento, incluindo 21,000t/ano de capacidade de cimento branco, em Portugal.

Em 2013, a taxa de substituição de combustível alternativo global da Secil foi de 21,1% (Tabela 2), altura em que queimou a mesma quantidade (169,000t) de combustíveis alternativos como em 2012. A nível mundial a Secil reduziu seu consumo de combustíveis fósseis sólidos e gasosos em 2013 em comparação com o ano anterior. A Secil também aumentou a sua taxa de substituição de biomassa para 10% e reduziu suas emissões brutas de CO2.

Em Portugal, a taxa de substituição combustíveis alternativos da Secil passou de 41% em 2012 para 44% em 2013. Embora tenha voltado a usar 55% de combustível alternativo em 2013, tal não foi conseguido "devido à disponibilidade e características dos combustíveis alternativos disponíveis no mercado". Em 2005-20I3, o coprocessamento de 1Mt resíduos evitou de 1 milhões de toneladas de emissões de CO2 e permitiu uma redução das importações de coque 340,000t permitindo uma poupança de Euro26m.

A fábrica Maceira, em Leiria foi a primeira fábrica da SECIL a usar chips de pneus como combustível alternativo. A Secil gera 10-13% da sua energia térmica a partir deste tipo de combustível. A fábrica do Outão em Setúbal queima carvão, gasóleo, gás, coque de petróleo e combustíveis alternativos. Em 2013, a SECIL concluiu os seus sistemas de desvio de gás nas linhas de clínquer em Outão e Maceira, o que, segundo a empresa, aumentou seu uso de combustíveis alternativos. A SECIL aumentou também a utilização de resíduos industriais como combustível alternativo e expandiu sua capacidade de armazenamento de CDR.

Perspectiva

O FMI previu que o PIB de Portugal deverá crescer 1,6% em 2015 e 1,5% em 2016, após um crescimento de 0,9% em 2014. Embora as perspetivas de longo prazo do país sejam positivos, é expectável que os sectores da construção e do cimento necessitem de algum tempo para se recuperarem totalmente. Como tal, a capacidade instalada e a capacidade de produção em Portugal continuará a superar a procura doméstica por algum tempo. Apesar da baixa procura doméstica, a Cimpor e a Secil relataram ambas um rápido crescimento durante 2013 nos mercados de exportação, principalmente para a África e América do Sul. Isso vai ajudar a impulsionar a demanda e levar as taxas de utilização de capacidade mais elevadas. Para além disso, a Cimpor declarou esperar que a indústria cimenteira nacional comece a recuperar em 2015.

Em relação aos combustíveis alternativos, a Cimpor pretende aumentar a sua taxa de substituição até 30% até 2016 e sua taxa de substituição de biomassa para 5% no mesmo período. Os objetivos da Secil são menos específicos mas planeia aumentar a sua taxa de substituição de combustíveis alternativos, em especial o uso de resíduos de biomassa. Como referido pela SECIL, a cadeia de fornecimento da gestão de resíduos em Portugal não consegue fornecer uma quantidade adequada de SRF para que as produtoras de cimento possam continuar a aumentar as suas taxas de substituição de combustíveis alternativos. A N+P começou recentemente a abordar o deficit das suas operações no Reino Unido, mas é provável que o enfoque se mantenha para novos operadores no mercado.